TINA

REFLETE
2 min readApr 6, 2021

Documentário da HBO é a despedida do ícone Tina Turner

Imagem: HBO

Quando pequena, ficava impressionada com a força da Tina Turner, diferente de tudo que se via — e de tudo que se vê até hoje. Quando passava alguma coisa com ela na TV, eu ficava ali hipnotizada olhando ela dominar o palco. Esse sentimento parece ser o compartilhado por muitos, como aparece no documentário Tina, da HBO.

Considerado a despedida da cantora, que se aposentou em 2008, ele conta sua trajetória, desde os desamparos em casa, as agressões vividas pela mãe (nunca presente ou incentivadora), até a própria violência física e emocional que sofreu, durante os anos em que foi casada com Ike. “Não foi uma boa vida”, ela resume, deixando o espectador sentindo o que ela passou.

Foi em 1981 que ela revelou para a revista People o que acontecia na relação que durou quase 20 anos e foi desfeita por ela, quando, após uma tentativa de suicídio, se conscientizou de que podia sair desse “lugar” abusivo. No doc, ela atribui muito dessa consciência ao fato de ter entrado em contato com o budismo.

Veja o que fiz nesta vida, com este corpo. Eu sou uma garota de um campo de algodão. Eu me coloquei acima do que não me foi ensinado”. Imagem: HBO.

Estão ali também seus momentos de auge, após o divórcio, em que Ike ficou com todos os bens financeiros com a condição de que ela pudesse usar o nome artístico que ele havia criado pra ela: Tina.

Então com 40 anos, sozinha e sem recursos financeiros, ela se une a sua agente para fazer todos os shows possíveis, em cassinos, boates, convenções. Ciente de que precisava mudar sua imagem, fecha contrato com um novo produtor, que a ajuda a criar um visual — e um caminho sonoro — à altura de quem era no momento. Assim, ela se reergue e, aos 50 anos, lança o álbum e hit “Whats love got to do with it”, que ficou 3 semanas na Billboard Hot 100 e vendeu milhões de cópias.

Tina chega a permitir que sua vida seja contada em uma biografia e um filme (onde ela é vivida por Angela Bassett), pensando em dar fim ao assunto “Ike”, sempre levantado nas entrevistas que dava. Mas, isso não acontece e, mesmo se mostrando incomodada, o assunto sempre voltou.

Aos 81 anos, Tina mora na Suíça com seu marido, Erwin Bach, com quem divide jornada há mais de 30 anos.

Deixo aqui o trailer do doc, que conta com participação de Oprah, falas do próprio Ike, de produtores, músicos e trechos de gravações e muitos shows apresentados por ela (incluindo o no Rio de Janeiro):

--

--